Cena #1: Dries Verhoeven (Holanda)

Homo Desperatus

Colônias de formigas são encerradas entre maquetes que recriam cenários contemporâneos de desastre e dor: o reator nuclear de Fukushima, o campo de detenção de Guantamo Bay, uma fábrica de tecidos que desabou em Bangladesh e assim por diante. Em cada maquete, uma nanocâmera registra a luta dos insetos pela sobrevivência e a tentativa de reconstruir uma vida em territórios assolados por tragédias, a partir de ângulos que remetem à emissora noticiosa norte-americana CNN.
Um dos formatos da obra Homo Desperatus, instalação do cenógrafo holandês Dries Verhoeven, o filme mostra a atividade de 70 mil formigas presas dentro de 44 maquetes que, fechadas em redomas de vidro, compõem uma versão miniaturizada de cenários apocalípticos do mundo atual.
Evocando a vulnerabilidade comum ao espectador e à obra, Verhoeven busca estabelecer uma relação entre a distância analítica e o envolvimento emocional, desafiando o público a encarar as múltiplas calamidades do nosso tempo e a se indagar sobre seu posicionamento em relação a elas.
Homo Desperatus foi coproduzida e apresentada pelo Theaterfestival Boulevard e o Stedelijk Museum’s Hertogenbosch, na Holanda, em 2014.

HD_Fukushima, Japan_Willem Popelier_MG_8295
Dries Verhoeven é cenógrafo e artista visual. Dedica-se ao teatro, ao design cênico, à criação de instalações, happenings e intervenções urbanas. Atuando na fronteira entre performance e instalação, sua obra apoia-se em ações que afetam a ordem pública da vida cotidiana e, consequentemente, semeiem dúvidas sobre os sistemas que influenciam pensamentos e ações e o impacto da mídia digital sobre as relações interpessoais, entre outros aspectos da realidade social contemporânea. Suas peças envolvem o espectador diretamente, convidando-o a conduzir sua própria experiência. Já participou em festivais como o LIFT, em Londres, e o Festival Transamérique, em Montreal. Foi premiado com o Mont Blanc Young Directors Award no Festival de Salzburgo, na Áustria. O Studio Verhoeven recebe subsídios da cidade de Utrecht e do Fundo de Artes Cênicas da Holanda.

Advertisements